“É um direito dele se manifestar, nós estamos em uma democracia e temos que lembrar disso”, disse Romeu Zema

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), rompeu o silêncio e afirmou a um jornal local da Rede Globo que parece haver um “totalitarismo” contra o presidente Jair Bolsonaro. Zema foi um dos sete governadores que não assinaram a carta conjunta com críticas a Jair Bolsonaro.

 “Eu vejo que está havendo um movimento exacerbado, desnecessário, com relação a algumas falas, algumas questões do presidente. Outro dia até brinquei, se o presidente arrotar, vai virar motivo de alguém se manifestar. Nós [governadores] deveríamos focar no nosso trabalho”, declarou.

Ao ser questionado sobre as aparições públicas de Bolsonaro que provocaram aglomerações, Zema disse o presidente tem o direito de ir e vir assegurado.

“Eu não tenho feito isso aqui em Minas Gerais. Agora, é um direito dele se manifestar, nós estamos em uma democracia e temos que lembrar disso. A riqueza da democracia é a diferença de opiniões”, finalizou.