Governador cria “mensalinho” para artistas ligados ao PT atacarem Bolsonaro em lives após sucesso de transmissões gratuitas de apoiadores do presidente

O governo do estado de São Paulo vai gastar R$ 1 milhão do dinheiro do contribuinte com artistas que militam contra o presidente Jair Bolsonaro e, até pouco tempo atrás, viam no PSDB de Dória a encarnação da podridão na política. O pretexto para a farra é a realização de um “festival” chamado “#CulturaEmCasa”.

Entre os artistas que participarão está o conhecido esquerdista bonachão Fábio Porchat e a cantora Maria Gadú, que não faz questão de esconder seu esquerdismo dentro e fora dos palcos.

Vários outros artistas conhecidos por vínculos ao petismo também estão no staff dos selecionados para abocanhar os recursos da população de São Paulo.

O que deixa a situação ainda mais irônica na situação é que semanas atrás o deputado federal Marcelo Calero (Solidariedade-RJ) acusou o governo federal de arranjar uma “boquinha” para artistas que apoiam Bolsonaro participarem de uma campanha contra a Covid-19. Horas após a divulgação da notícia, os artistas apoiadores de Bolsonaro afirmaram que não cobraream cachê e fizeram a campanha por patriotismo.

O aluguel de aristas militantes com dinheiro público é uma reação ao sucesso de transmissões gratuitas realizadas por apoiadores de Jair Bolsonaro que têm obtido sucesso e de doações.   

O contra-ataque de Dória com dinheiro público acontecerá sempre às 21h30 durante 60 dias seguidos.

É esperado que durante as lives ataques ao presidente Jair Bolsonaro, custeados com dinheiro público, sejam frequentes.