Como o aumento do prazo de validade do bilhete único pode ajudar a desafogar os terminais da integração e proteger usuários da pandemia

Não resta dúvidas de que os maiores riscos de contágio com o coronavírus estão no sistema de transporte público. Dessa forma, pelo menos em São Luís, o prefeito Edivaldo Holanda Jr tem o poder necessário para tomar medidas que desativem essa bomba relógio.

É imperativo que o fluxo nos terminais da integração seja diminuído ao máximo. Quanto menos pessoas nos terminais, menor o risco de contágio. E, acima de tudo, menor o risco de contágio e proliferação do coronavírus entre setores mais vulneráveis da população.

Aumentar a duração do bilhete único para três horas de relógio pode possibilitar ao prefeito a interrupção total, ou parcial, do fluxo de pessoas nos terminais. E isso aconteceria da seguinte forma:

1 – As pessoas poderiam mudar de condução em outros lugares que não os terminais da integração. Dessa forma, as unidades poderiam ser desabilitadas evitando aglçomeração.

2 – Com o prazo mais vasto, o usuário poderia ter mais tempo para optar por ônibus menos lotados.

3 – As linhas “coletoras” poderiam deixar de entrar nos terminais e seguir trajetos um pouco mais longos, alcançando grandes corredores, o que iria pulverizar os passageiros em espaços maiores e evitar paradas lotadas no entorno dos terminais.

4 – Com a interrupção do uso pela população, os terminais poderiam ser transformados em pontos “sanitários” adequados para a higienização dos veículos quando estes estivessem fora do serviço. Essas são sugestões ao prefeito Edivaldo Holanda Jr. O momento agora é de união e de contribuição.