Você não vai ver nas reportagens nem nos discursos do governador, mas diminuição de impostos para álcool em gel, álcool 70% e itens semelhantes partiu de Adriano Sarney

Após cinco anos promovendo aumentos sequenciais de impostos e semanas sem tomar absolutamente nenhuma medida para auxiliar a economia do estado durante a crise, nesta segunda (23) o governador Flávio Dino editou Medida Provisória que diminui o imposto do álcool em gel no Maranhão. Ironia da vida? A ideia foi do deputado estadual Adriano Sarney (PV), que faz oposição ao governador.

Na última terça (17) Adriano encaminhou ao comunista uma solicitação para a redução no Estado da alíquota do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias (ICMS) em 11% nas operações internas referentes aos itens básicos de higiene para proteção do vírus, estes são: álcool em gel, álcool 70%, luvas, máscaras e hipoclorito de sódio. Adriano é economista e administrador com passagens por Harvard e Sorbone,

“A importância da prática de higiene frequente é indispensável para proteção contra o vírus. Todos os dias estão evoluindo casos no país e por isso protocolei a indicação para redução do ICMS sobre esses materiais, visando uma segurança para nossa população na prevenção ao coronavírus”, disse Adriano na semana passada.

Seis dias após a sugestão do parlamentar Adriano, Flávio Dino editou uma medida que reduz de 18% para 12% o ICMS que incide sobre os produtos sugeridos por Adriano. A redução do imposto vale até 31 de julho deste ano. Ambos os produtos foram inseridos como itens da cesta básica, o que permitiu a diminuição do ICMS para 12%.

É claro que o nome do parlamentar não foi e não será citado em nenhuma reportagem do governo ou discurso do governador, o que evidencia a falta de caráter do governo.

Ao contrário de Flávio Dino, que passa o dia inteiro fazendo oposição a Jair Bolsonaro tendo ataques no Twitter, Adriano mostrou-se responsável na forma de agir politicamente e deu ao seu adversário a ÚNICA medida econômica séria e viável em mais de CINCO anos à frente do governo do estado.

Na política há estadistas e há canalhas, assim são as coisas.