Medidas demonstram interesse e método na condução da crise. Apesar disso, outras medidas podem ser feitas.

O governador Flávio Dino acertou ao tomar medidas duras para conter o avanço da pandemia de coronavírus no Maranhão.

Além de uma série de medidas de segurança para o funcionalismo público (que deveriam ser copiados pela iniciativa privada), o governador suspendeu a emissão de licenças estaduais para eventos com grande aglomeração de pessoas e interrompeu seminários e atividades congêneres do próprio governo.

Também foram estipulados padrões para o atendimento em estabelecimentos comerciais, como a distância mínima entre mesas de restaurantes e exigência de arejamento em ambientes.

As medidas do governo são excelentes e dignas de elogio. No entanto, é preciso ir além para outras situações.

O governo deveria avançar e adiantar as férias escolares. Procedimentos cirúrgicos não emergenciais na rede de saúde pública deveriam ser adiados. Cinemas e bares devem ser impedidos de atuar com lotação máxima. Máscaras e luvas deveriam ser distribuídas para usuários do transporte público. Taxistas, motoristas de UBER e todas as pessoas que trabalham com atendimento ao público devem ser obrigadas a usar máscara.

Essas são algumas sugestões de quem tem a certeza de que o governo está empenhado em fazer sua parte em uma luta em que todos devem fazer a sua parte.