Fernando Caruso, ator da Globo, sugeriu que 20 maiores riquezas do país fossem confiscadas após o assassinato de proprietários

O presidente Jair Bolsonaro teve uma publicação em que aparece conversando com pessoas censurada pelo Twitter. A ação foi estendida ao Facebook e Youtube. Segundo as empresas, Bolsonaro desrespeitou as políticas das empresas. Dias antes da extinção da publicação do presidente, o ator Fernando Caruso propôs abertamente o assassinato programado de 20 pessoas.

Para o ator, o assassinato programado das pessoas que detém as 20 maiores fortunas do país seria uma alternativa às vítimas do coronavírus. Entre a fatalidade da tragédia e o crime der assassinato orquestrado, Caruso acredita que a opção pelo crime seja mais viável.

O ator não deixou claro no vídeo se os familiares e herdeiros, incluindo crianças, também deveriam ser assassinadas pelo governo para o confisco de suas fortunas.

A declaração de Caruso foi dada uma semana após a atriz Fernanda Torres publicar artigo em que deixa claro que torce para que a pandemia de coronavírus “limpe” a política. O economista Eduardo Gianneti também já declarou que se o vírus tiver como “efeito” colateral a corrosão da “direita”, ele não terá sido em vão.

Apesar de vídeos e artigos escritos de próprio punho, é claro que alguns, assim como o Twitter, não irão ver “nada demais” nas afirmações e dizer que o significo, mesmo que escancarado, está sendo deturpado.