Irrelevância política do partido comandado pelo irmão da senadora Eliziane Gama, mesmo com toda estrutura, é indiscutível

Em 2018 o Cidadania conseguiu o feito de se tornar um dos seletos partidos do Maranhão com representação no Senado Federal. Além do Cidadania, apenas PSD e PDT sustentam vagas no Senado Federal. Apesar disso, a legenda no estado não possui nem mesmo o status de partido nanico.

São poucos prefeitos, poucos vereadores, nenhum deputado federal ou estadual. Apesar do tempo de televisão e do prestígio da senadora Eliziane Gama, ninguém ainda sequer cogitou uma aliança com o Cidadania para a Prefeitura de São Luís.

Excetuando-se a atuação da senadora, o partido é um absoluto “zé ninguém” na política local. Tanto que o presidente estadual da sigla, que como única virtude apresentável é ser irmão da senadora, é um completo desconhecido do cenário político local.

PROS, Solidariedade, PSOL, Patriota, Podemos, PRTB, NOVO e Avante são todas legendas que dispõe da mesmíssima estrutura federal, alguns sem senadores, do Cidadania e possuem atividade e atuação partidária que deve constranger muito os liderados por Eliel Gama.

Daí a pergunta: Por que o Cidadania é um partido tão fraco no Maranhão?