Possibilidade de unir DEM, PDT, PSL e outras legendas está mais próxima a cada dia que passa e pode turbinar campanha de Neto Evangelista

O deputado estadual e pré-candidato a prefeito de São Luís, Neto Evangelista (DEM), pode encabeçar uma das maiores coligações da história recente da política na capital maranhense. E isso em caso de final feliz nas conversações com o PDT e PSL.

O PDT é, indiscutivelmente, proprietário da maior, e talvez única, militância partidária em São Luis. São centenas de lideranças comunitárias, filiados e simpatizantes que ajudaram a manter o monopólio político do partido na capital nos últimos 30 anos. O PDT participou direta e indiretamente de todas as últimas gestões.

Já o PSL presidido pelo vereador Chico Carvalho no estado traz consigo uma grande parcela de tempo de televisão e quantidade significativa do Fundo Eleitoral.

Além dos dois partidos, Neto conta com a própria legenda. O Democratas hoje comanda o Congresso Nacional e sua campanha é vista como uma das prioridades nacionais da legenda.

Apenas com estas três siglas, já se pode asseverar que Evangelista terá a maior coligação das eleições em São Luís. Uma união entre as outras grandes agremiações (PT, MDB e PSDB) na mesma chapa é quase que impossível. Ainda sobram o PSD e Progressitas, dos deputados federais Edilázio Jr e André Fufuca.

O PSDB tem duas opções prováveis: lançar candidatura própria com o deputado Wellington do Curso ou integrar a chapa de Eduardo Braide. O PT pode ser acessório da campanha de Rubens Jr (PCdoB) ou cometer o vexame de candidatura solo. O MDB deseja ter Roseana, mas o deputado estadual Roberto Costa, presidente da sigla, já demonstrou simpatia com a campanha de Evangelista.

Os fatos e movimentações indicam que, pelo menos até agora, o deputado largou na frente na formulação de uma “chapa imabatível”.