Pela primeira vez na história a Receita Federal está passando um pente-fino nos contratos milionários de artistas e celebridades com a Rede Globo.

O Governo de Jair Bolsonaro segue sua campanha fascista de perseguição política e transformação do país em uma ditadura fascista. A Receita Federal, pela primeira vez, está investigando minunciosamente os altos contratos de artistas e celebridades com a Globo Comunicação e Participações S/A.

A empresa repassou dados que estão sendo utilizados para solicitar aos ricaços oprimidos que, vejam só o absurdo, apresentem detalhes sobre os contratos e, entre outras coisas, justifiquem o contrato de pessoa jurídica ao invés do vínculo CLT.

Durante a reforma trabalhista do governo de Michel Temer, muitos artistas da Globo que não trabalham no regime da CLT defendiam a ferrenhamente a… CLT. Algo como: “CLT e mais imposto para vocês, contrato de Pessoa Jurídica e menos imposto para mim”.

Existem suspeitas de que o arranjo tenha sido criado para promover sonegação. Fascista, o governo de Jair Bolsonaro estaria solicitando informações e, após identificar possíveis desvios, cobrar os devidos impostos.

Caso seja configurada fraude, os ricaços irão ter que pagar imposto de renda de pessoa física (27,5%) como cidadãos normais, uma vez que o imposto de pessoa jurídica é menor (de 6% a 15%), mais multa (até 150%) e juros dos últimos 5 anos de contrato.

Um ato flagrante que comprova a instituição de uma ditadura no país. É claro que não há nada errado nos contratos das empresas e a Receita Federal não tem direito algum de fiscalizá-los.

Em democracias verdadeiras fica a cargo da Receita Federal apenas a fiscalização de pessoas comuns. Artistas e celebridades, por seu caráter de superioridade moral, sempre ficam fora das fiscalizações porque, todo mundo sabe, são santos.

É cada uma…