Roseana lidera cenários seguida pela senadora Eliziane Gama. Rejeição ao governo Flávio Dino cresce

Uma série de pesquisas encomendadas por aliados e adversários do governo estadual tem colocado a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) como favorita do eleitorado maranhense para as eleições de 2022.

As pesquisas encomendadas por aliados do governo tem como objetivo principal mensurar o cenário político nas eleições municipais do ano que vem. De forma secundária está sendo examinada a preferência do eleitorado para as eleições estaduais. Além do favoritismo de Roseana, os números também demonstram um desgaste do governador Flávio Dino.

A surpresa fica por conta do desempenho da senadora Eliziane Gama (Cidadania), que desponta como nome mais viável do governo nestas pesquisas iniciais.

A última pesquisa foi realizada em Arari revela que 39,9% do eleitorado iria ter preferência por Roseana nas urnas. Eliziane Gama aparece em segundo com 13,3%. O terceiro lugar na pesquisa é ocupado por Weverton Rocha (PDT) com 5,6%. O vice-governador Carlos Brandão obteve desempenho abaixo do esperado com apenas 0,3%. Não votariam em nenhum deles 27,9% e não souberam responder 13,0%.

O índice de aprovação do governador Flávio Dino, que também já havia sido identificado em outras pesquisas, tem um indicativo de queda. Em Arari, apenas 34,6% aprovam o governo do comunista. Sendo que 54,5% desaprova a gestão estadual. Outros 11% não souberam responder.

Uma pesquisa ESCUTEC encomendada por apoiadores da ex-governadora Roseana Sarney e também realizada no mês de dezembro confirma os números dos levantamentos do governo. Roseana aparece com a preferência de cerca de 40% do eleitorado, confirmando os números das pesquisas governistas.

Para o deputado estadual César Pires (PV), a pesquisa desmonta a tese de hegemonia política no estado. “A ex-governadora Roseana Sarney é uma liderança política indiscutível. Esses números mostram que não existe hegemonia política no estado”, disse.

O deputado federal Edilázio Jr (PSD) não demonstrou surpresa ao ser informado dos números. “Mesmo com todo o poderio midiático, com a força da máquina pública e com a oposição na Assembleia reduzida às figuras do deputado César Pires, Wellington do Curso (PSDB) e Adriano Sarney (PV), percebemos que há em curso um processo de desgaste acentuado. Eu tenho levantamentos internos que vão nesse mesmo caminho. Há cidades no interior em que 60% da população não votaria de jeito nenhum em candidatos do governo comunista”.

Edilázio Jr e César Pires pregam união de forças da oposição

Edilázio ainda fez um comparativo com as pesquisas eleitorais e o desgaste do governo em São Luís. “Os três candidatos da oposição somam mais de 60% das intenções de voto. E o candidato do governo, o secretário Rubens Jr, não consegue superar a barreira do 1%. Esse também é um reflexo da queda do prestígio.

Para César Pires, Roseana e o grupo oposicionista não podem incorrer nos erros do passado. “Demoramos muito a cair em campo nas eleições de 2018. O martelo só foi batido poucos meses antes, o que prejudicou bastante. Temos que aprender com nossos erros e superá-los”, disse.

Edilázio concorda com a visão de Pires. “O recall de Roseana é inconteste, ela deixou um legado. Pode ter demorado, mas agora as pessoas começam a comparar os grupos. Se caminharmos coesos e nos reagruparmos, com a mais absoluta certeza nosso grupo vem muito forte em 2022”, falou.