Senador e deputado estadual começam a integrar núcleo que era restrito às figuras de Flávio Dino e Márcio Jerry

Até 2018 o núcleo do poder no grupo dinista, que já foi oposição, jackista e Frente de Libertação, restringia-se às figuras de Flávio Dino e Márcio Jerry. Enquanto o ex-juiz ocupava o centro das decisões, Jerry era o político que orbitava mais próximo a ele. Todos os outros eram satélites importantes, mais distantes do núcleo. Ao que tudo indica ocorrerá uma reestruturação na hierarquia do poder que passa pela ascensão do senador Weverton Rocha e do presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto.

Após 2018 e com sua consagradora eleição para o Senado, o pedetista Weverton Rocha ocupou definitivamente o lugar no centro de poder. Um pouco acima de Márcio Jerry, mas ainda subordinado a Flávio Dino. E subordinação por vontade própria. Afinal, pelo menos publicamente o senador faz questão de deixar claro que Flávio é, ainda, o líder do grupo.

Othelino Neto conseguiu a façanha de ter mais prestígio dentro do Legislativo estadual do que o próprio governador. Em pesquisa recente entre jornalistas e blogueiros envolvidos com política, a antecipação da eleição de Othelino foi vista como um dos grandes acontecimentos políticos de 2019.

Até por uma questão de estilo pessoal, que preza sempre pela discrição, Othelino ainda figura abaixo de Flávio, Weverton e Jerry dentro do núcleo do poder. Só que seu lugar como quarto nome na cadeia de comando/influência é inquestionável. Assim como Weverton, o presidente da Assembleia também deixa evidenciada a devoção pela liderança de Flávio Dino.Quando todos apostavam em uma racha no grupo com a ascensão das novas lideranças, a impressão que fica é que o grupo governista segue cada vez mais unido. Excetuando-se aberrações como Josimar de Maranhãozinho e outros que acreditam piamente em uma importância que só existe na cabeça deles.