Apesar de bem colocado e sem adversários dentro do PSDB, Wellington do Curso não tem candidatura assegurada no partido. E isso é um grandioso erro político

O deputado estadual Wellington do Curso (PSDB) vive uma situação complicada. Único nome do PSDB para a disputa em São Luís e ocupando um honroso quarto lugar nas intenções de voto, segundo o instituto Econométrica, o deputado não tem a garantia de sua candidatura.

A bem da verdade, a participação de Wellington do Curso no pleito deveria ser uma prioridade para o presidente da legenda no estado, senador Roberto Rocha. E isso por questões simples, de fácil entendimento.

Candidatura de Wellington nas mãos de Roberto Rocha

O deputado tem assegurada uma porcentagem dos votos que asseguram o partido em posição de destaque na disputa. Exposição partidária é obrigação.

Abdicar da candidatura do deputado significa, indiretamente, ajudar os candidatos da base governista. Aquela da qual Roberto Rocha diz fazer oposição. Quanto menos nomes da oposição no pleito para confrontar os dinistas, melhor será para os… dinistas.

É muito improvável que Wellington tenha menos do que 5% das intenções de voto. Quantia de votos que pode ser determinante no segundo turno a depender da escolha que o PSDB faça.

Pois bem, qualquer manobra que tire de Wellington do Curso a possibilidade de disputar a eleição pelo PSDB e tolha o partido nas eleições, quanto mais se envolver parentes do senador, será um erro.

Se Roberto Rocha pensar em grupo e em fazer oposição de verdade ao grupo do governador, irá apoiar Wellington do Curso. O problema é que ninguém sabe se ele vai pensar assim.