O senador Roberto Rocha (PSDB) ressaltou em postagem no Instagram o oportunismo do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), ao comemorar o crescimento do PIB do Maranhão em 2017, segundo dados do IBGE.

Nas redes sociais, o comunista fez festa para os números, conseguidos, principalmente, pelo bom desempenho de atividades privadas do agronegócio.

Em sua postagem, Rocha lembrou que há menos de dez dias Dino usava o Twitter para sentenciar que o setor privado não é capaz de “puxar investimentos”.

“A Petrobras, tão atacada pelos entreguistas que se disfarçam de verde e amarelo, salvou o ‘megaleilão’ hoje. Deveria servir de reflexão para quem acredita que o setor privado puxará investimentos. Isso nunca aconteceu no mundo. Sem setor público forte não há investimentos”, escreveu o governador.

Segundo o tucano, ao comemorar o PIB, Flávio Dino “esqueceu” de citar que os números são fruto de investimento privado.

Leia abaixo a manifestação do senador.

Há menos de dez dias o governador Flávio Dino publicou em seu Twitter que o setor privado nunca puxará investimentos, e que isso nunca aconteceu no mundo.

Agora ele reaparece comemorando o PIB do Maranhão que, segundo o IBGE, foi o quarto melhor do Brasil, em 2017.

Esqueceu de dizer que esse resultado deve-se ao setor privado, em especial ao agronegócio que vem sustentando a economia do país, que sofre uma depressão na área industrial.

Ele não lembra de dizer que.os três primeiros colocados são Mato Grosso, Piauí e Rondônia, onde estão mais dois dos estados que compõem o Matopiba.

Além da agricultura, outro setor eminentemente privado, a produção florestal para a celulose, destacou-se positivamente.

Já a pecuária e a indústria amargaram índices negativos. A indústria apresentou variação em volume negativa de 3,5%, somando-se às quedas em volume das atividades de construção (-10,2%), eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação (-2,0) e indústrias extrativas (-12,9%).

Portanto, o governador comemora o resultado de investimentos privados, que segundo ele próprio, não são suficientes para alavancar o desenvolvimento.

Sabe em que posição o Maranhão estava entre os PIBs do país? Em 17° lugar. Sabe onde ficou agora? Na mesmíssima posição!

Agora o mais trágico: o PIB per capita do Maranhão atingiu o último lugar dentre todos os estados. Segundo o mesmo estudo que é comemorado com tanta festejo, o Maranhão ultrapassou o Piauí como o estado de gente mais pobre do Brasil.

O governador comemora o crescimento da riqueza do Maranhão e finge que não tem nada a ver com a pobreza dos maranhenses.

Bem sabia o filósofo Disraeli quando disse que há três tipos de mentiras: as pequenas, as cabeludas e as estatísticas.