Deputado da base de Flávio Dino e presidente do MDB, Roberto Costa quer empurrar Roseana Sarney em uma eleição não-programada que pode aposentar de vez ex-governadora

Após anos sem dar a mínima importância para os rumos do MDB no estado e agindo como deputado da base governista de Flávio Dino, o deputado estadual Roberto Costa foi acometido por um surto eleitoral. Costa tem defendido ferozmente a candidatura da ex-governadora Roseana Sarney à Prefeitura de São Luís.

Apesar de presidente do MDB maranhense, o deputado estadual Roberto Costa não faz questão de esconder que sua lealdade política é dividida entre o grupo Sarney e o governador Flávio Dino. Em dois mandatos, o parlamentar NUNCA usou a tribuna da casa para fazer aquilo que, pelo menos teoricamente, era o esperado: a oposição ao governo Flávio Dino.

No entanto, quando o apoio ao governo comunista já parecia demais, o deputado embarca em uma nova jornada que, no fim das contas, só irá facilitar a manutenção do poder por Flávio Dino e a continuidade do processo de desmoronamento do grupo Sarney.

Com a oposição ocupando quase 60% das intenções de voto com Eduardo Braide, Wellington do Curso e Adriano Sarney, Costa resolveu lançar Roseana Sarney pré-candidata. Colocada na sob a lupa da razão, a jogada tem como únicos resultados plausíveis o desgaste da imagem da própria Roseana, a confusão eleitoral na cabeça daqueles que estão cansados de Flávio Dino e a destruição da possibilidade de nascimento de novas lideranças de oposição.

Para Roseana Sarney a candidatura é um péssimo negócio. Mesmo que tenha sido a política que mais fez por São Luís em todos os tempos, uma candidatura não-programada, em um ambiente de quase uma dezena de candidaturas, com a oposição já consolidada e com pouco tempo para mobilização podem colocar Roseana em uma eleição que pode encerrar de vez sua carreira política.

E, pior, assegurar mais alguns anos de poder ao seu maior adversário, o governador Flávio Dino. Com absoluta certeza a entrada de Roseana Sarney na disputa não será do zero. Contudo, a ex-governadora irá tirar pontos percentuais dos candidatos da oposição, não dos candidatos da situação. A envergadura de Roseana irá “engessar” as possibilidades de crescimento de Braide, Wellington e Adriano. Neste aspecto, todas as baterias do governo comunista irão ser apontadas para Roseana como forma de polarizar a eleição. O jogo sujo que tantas vezes funciona em eleição será brutal. E, ao invés de se debater o futuro da capital e o desgaste do dinismo, voltará a cantilena anti-sarney.

Roseana Sarney é uma líder política inquestionável. Primeira governadora eleita no país, precisa apenas de mais três anos de Flávio Dino para retornar triunfante nas eleições de 2022. Flávio Dino está arruinando o estado em tempo recorde e, o futuro da ex-governadora, depende do fim do ciclo do comunista como governador.

Sair candidata nessa aventura às portas de uma eleição dificílima por meio da sugestão de um vassalo do governo comunista que irá abandoná-la no meio do caminho é um grande erro.

A Roseana só interessa a vitória em uma situação dessas, e ela não é certa e nem provável. Sendo derrotada, mancha sua história. E, se por algum acaso não terminar entre os dois primeiros, enterra tudo o que já construiu de vez. O risco não vale a aventura.

A polarização, agora, é desnecessária e perigosa.

Roberto Costa quer bagunçar a eleição. Como é pequeno e irrelevante, mesmo sendo presidente do MDB no estado, quer perverter a eleição em benefício de seu camarada comunista usando o brilho da ex-governadora.

Resta saber se ela vai cair nessa…