Vereador Chico Carvalho afirmou em nota que encontro com cúpula do PCdoB no Maranhão foi “institucional”. Militância desconfia do entusiasmo ao lado dos comunistas

Após evento em que levou membros do PCdoB para suas bases políticas e não fez questão de esconder o entusiasmo ao lado do governador Flávio Dino (principal crítico do presidente Jair Bolsonaro no estado), o vereador Chico Carvalho, presidente do PSL, divulgou nota em que tenta esclarecer os acontecimentos.

A participação de Carvalho foi apontada como traição dias atrás e caiu como uma bomba no partido. Membros da legenda afirmam que o presidente não poderia demonstrar cordialidade política com o governador por várias razões, mas uma em específico. Flávio Dino move várias ações na Justiça contra o secretário-geral da legenda no estado, o militar reformado e coordenador da Superintendência de Patrimônio da União, Coronel Monteiro.

A reconstrução da legenda no estado foi tocada por Monteiro e o gesto de Carvalho foi vista como traição. O presidente da legenda tentou se desvencilhar da acusação afirmando que o evento foi de caráter “institucional”. Contudo, membros do PSL acreditam que institucionalidade não o exige o entusiasmo radiante apresentado por Carvalho na ocasião.

Segue a nota do vereador.

Sou vereador de São Luís há oito mandatos. Uma das prioridades no exercício do mandato sempre foi levar serviços públicos para as comunidades da zona rural. Asfalto, posto de saúde, escolas, praças e tantos outros benefícios.

Acontece que o vereador não faz obras. A função de um parlamentar é apresentar os problemas das comunidades aos gestores. Além, claro, de fiscalizar o Poder Executivo e propor leis. Diante disto, por anos, fiz indicações ao governo Estadual e requerimentos para a Prefeitura de São Luís pedindo a construção de uma Praça no bairro Quebra Pote. A comunidade sempre solicitou esta área de lazer.

Sempre fui em busca da benfeitoria. E agora a luta chegou ao êxito com a entrega da Praça feita pelo governo Estadual. Como sempre foi um pleito buscado por mim, como vereador, me senti com todo o direito de comemorar a inauguração com a comunidade e , como a obra foi feita pelo governo Estadual, o governador Flávio Dino tinha o direito de lá estar presente também. Ou seja, ele como governador e eu como vereador.

Não há acordos políticos, não há alianças. Há o cumprimento dos deveres de cada representante do povo em questão. Atrelar este fato ao cargo que eu exerço dentro do PSL do Maranhão é má fé com uma clara tentativa de confundir a sociedade