Parlamentar do PCdoB apoiou cartunista que retrata agentes de segurança como assassinos de crianças, negros, trabalhadores e moradores de periferia.

O deputado federal Márcio Jerry (PCdoB) integrou um ato realizado na Câmara Federal em defesa de um chargista que acusa policiais militares de todo o Brasil de serem racistas e assassinos de negros. O ato foi uma resposta ao protesto do deputado federal Coronel Tadeu (PSL-MA) contra um cartaz exposto na Câmara ontem (20) com a imagem de um jovem negro morto por um policial. Tadeu arrancou o cartaz que foi recolocado horas depois por Jerry e outros deputados de esquerda.

O cartaz que causou toda a discussão é de autoria do cartunista Carlos Latuff. Ao longo de sua carreira o cartunista tem retratado policiais como assassinos de crianças, mulheres, negros, trabalhadores e moradores de periferia.

As agressões de Márcio Jerry são agravadas pelo fato de ser ele presidente estadual do PCdoB no estado e o principal conselheiro do governador Flávio Dino, comandante em chefe da Polícia Militar do Estado do Maranhão. O deputado também é amigo pessoal do secretário de segurança pública, Jefferson Portela.  

Intitulado “Genocídio da população negra”, o cartaz fazia parte de uma exposição relacionada às comemorações do Dia da Consciência Negra e retratava o cadáver de um jovem negro usando as cores do Brasil e o policial que o assassinou. O deputado Coronel Tadeu arrancou o cartaz na exposição que, horas depois, teve sua realocação autorizada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Márcio Jerry participou do ato em suas redes sociais.

Como forma de tentar despistar, foi colocado um aviso ao lado do novo cartaz. “A Bancada Negra sabe que essa charge não representa toda a corporação e respeita os policiais que não corroboram para essas estatísticas e trabalham em prol do povo brasileiro”.

O aviso destoa da obra do artista que, rotineiramente, costuma retratar policiais de todos os estados do Brasil como seres bestiais e assassinos na última década.

Nenhum aviso pode contradizer o fato de que apoiar Latuff é aceitar a narrativa de que homens e mulheres da polícia militar do Brasil são criminosos.

Homens e mulheres que diariamente arriscam suas vidas para proteger a população, inclusive Márcio Jerry.