POLÍTICA

Investigado na Operação Lava-Jato articula nas eleições da OAB Maranhão

Ulisses César Martins de Souza foi investigado após delações premiadas que o acusavam de receber propinas milionárias para liberar precatórios. O advogado assumiu posição de destaque nas articulações do grupo liderado por Diego Sá

O ex-procurador-geral do Maranhão, Ulisses César Martins de Souza, ocupa lugar de destaque nas articulações da chapa OAB de Todos, capitaneada pelo advogado Diego Sá. Martins já foi investigado pela Operação Lava-Jato após denúncias de delatores que o apontavam como operador da construtora Odebretch no Maranhão.

Nas últimas semanas, Ulisses tem ajudado na articulação política da chapa de Diego Sá. O palco para as reuniões e negociatas tem sido o Hotel Blue Tree, do qual ele figura como sócio. Inclusive, as instalações do hotel deverão servir para o lançamento da chapa no próximo dia 26 de outubro.

A coalisão formada por Diego Sá tem juntado tipos estranhos. Além de um investigado pela Operação Lava-Jato, a chapa também conta com o vice-presidente do PCdoB do Maranhão, Egberto Magno. Além disso, o advogado Pedro Alencar, conhecido por fazer oposição ferrenha ao grupo Mário Maciera /PCdoB também tem ensaiado o embarque no grupo.

Afastado da diretoria da OAB/MA desde que a entidade rompeu com o aparelhamento partidário, o grupo de Mário Macieira tenta retomar o poder na entidade a qualquer custo.

VÍDEO

A máfia das greves de ônibus em São Luís

Entenda como funciona a máfia montada para chantagear o prefeito de São Luís, aumentar as passagens e extorquir a população. Fatos que são escondidos da população para facilitar a atuação de um grupo criminoso instalado há décadas no sistema de transporte público da capital
Municipalismo

Famem entrega mais 13 mil cestas básicas a municípios

A Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (Famem) realizou a entrega de mais 13 mil cestas básicas para 25 municípios maranhenses. A ação faz parte do programa ‘Municípios: Prato Cheio para o Desenvolvimento’, realizado pela entidade em parceria com a Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

O projeto beneficia famílias em situação de insegurança alimentar e nutricional. Somando a primeira e a segunda etapa do projeto, 54 municípios maranhenses, que possuem menor IDH e menos de 50 mil habitantes, estão sendo atendidos este ano. A iniciativa vai contribuir para amenizar as dificuldades de alimentação enfrentadas pelos munícipes em decorrência da crise econômica e sanitária causada pela pandemia da Covid-19.

Continuar lendo
Cadê o cancelamento?

Surto machista faz Rogério Cafeteira atacar secretária de Planejamento

Rogério desmereceu capacidade da secretária de planejamento do governo de ocupar o cargo. Ação machista foi corroborada por secretário de saúde, Carlos Lula.

O secretário de Esportes do Governo do Estado do Maranhão, Rogério Cafeteira, usou suas redes sociais para atacar a também secretária Cynthia Mota, titular da pasta do Planejamento. Cafeteira publicou uma indireta que foi respondida por Cynthia Mota.

Na réplica, e já com o entrevero entre os dois evidenciado, o secretário desmereceu a capacidade de Cynthia Mota em conduzir o cargo que ocupa.

O comentário misógino foi acompanhado pelo secretário de saúde, Carlos Lula.

O silêncio do movimento feminista em relação a um homem que desmerece a capacidade de uma mulher em relação ao cargo que ocupa e credita sua ascensão a favores diz muito sobre o feminismo dos tempos atuais. Se não fosse Cafeteira secretário do comunista Flávio Dino, estaria sendo cancelado. Como é esquerdista, pode afirmar que qualquer mulher em qualquer lugar está lá por favor e não por capacidade. Nada irá acontecer.

DETALHE: Não foi a primeira vez que Cafeteira agiu de forma a atacar mulheres na política. Quando deputado, na legislatura 2015 a 2018, ele teve como um dos pontos altos do seu mandato os ataques contra a ex-deputada Andrea Murad. Como hoje, na ocasião nenhuma militante do movimento feminista demonstrou incômodo.

Se fosse eu a escrever sobre mulher que está no cargo porque não tem capacidade e é jabuti…

Eleições 2022

Simplício Araújo afirma possuir o perfil necessário para governar o Maranhão

Secretário de Indústria, Comércio e Energia do Maranhão, Simplício Araújo

O Brasil está imerso em crises, seja a política, institucional ou a econômica, e essa última é a que mais maltrata, principalmente os mais pobres. O Maranhão apesar de acompanhar a tendência nacional, vive um momento diferenciado com a chegada de grandes investimentos e o Porto de Itaqui crescendo de forma escalonada os seus negócios. Por isso na opinião do secretário de Indústria, Comércio e Energia do Maranhão, Simplício Araújo, o próximo governador do estado, tem que estar atento a esse contexto e faça com que a economia maranhense decole aproveitando esse “boom econômico”. E na opinião do titular da SEINC, ele possui o perfil necessário para governar o Maranhão.

Simplício pontua grandes investimentos que estão chegando no estado como a construção do Porto São Luís pela COSAN, que vai R$1 bilhão e vai gerar 1.800 empregos diretos; a construção do gasoduto Santo Antônio dos Lopes – São Luís, que representa de R$3 a R$5 bilhões de investimentos  e mais de 2 mil empregos diretos; a retomada da ALUMAR, que está investindo R$400 milhões e gerando mais de 2 mil empregos.

“São alguns exemplos do atual momento que o Maranhão vive, a expectativa de grandes negócios, gerando riqueza ao estado, por isso acredito que o Maranhão precisa de um governador empreendedor para o novo ciclo que vai viver”, afirma Simplício Araújo.

O secretário de Indústria, Comércio e Energia tem sido o responsável por atrair grandes negócios ao Maranhão, foi ele o responsável por atrair a entrada do Assaí no mercado de São Luís, que gerou 800 vagas de empregos diretos.

Simplício também é um dos maiores entusiastas do negócio envolvendo o gás natural, que vem trazendo riqueza para os municípios de Santo Antônio dos Lopes, Bernardo Mearim, Bom Lugar e outros.

“O Maranhão tem ouro, gesso, gado, água etc, todas as condições necessárias para abrigar grandes negócios, por isso não podemos essa oportunidade”, completa Simplício Araújo.

O pré-candidato ao Governo do Maranhão defende a necessidade de um governante que esteja atento as demandas do mercado, isso significa que o estado precisa de um governador que desburocratize a entrada novos negócios e a permanência daqueles existentes. Por isso, Simplício defende a discussão e aprovação do novo Plano Diretor de São Luís, que está obsoleto e impede a entrada de empreendimentos bilionários. “Atrapalha o desenvolvimento econômico e social do estado a falta de um planejamento urbano atualizado”, sentencia.

Simplício avalia que Flávio Dino está acompanhando o momento econômico e diz ter a certeza que ele fará a escolha do seu sucessor, baseado naquilo que ele acredita ser o melhor para dar continuidade ao seu trabalho iniciado em 2015, ou seja, que fique um legado para o Maranhão.

INSENSIBILIDADE

Flávio Dino silencia sobre morte da prefeita de Cajari

Governador comunista não divulgou nota oficial e nem demonstrou solidariedade sobre a morte da Dra. Maria Félix. Silêncio sobre a morte pode estar ligado a desprezo por prefeitos do interior do estado.

Passadas mais de 24 horas após a morte da Dra. Maria Félix, prefeita de Cajari, o governador Flávio Dino não emitiu nenhuma nota oficial ou demonstração pública de luto. Além de prefeita de uma importante cidade do interior, Maria também é mãe do vereador e presidente da Câmara de Vereadores, Osmar Filho.

Políticos ouvidos pelo blog demonstraram surpresa com a constatação. “Realmente, ele não falou nada”, disse um deputado que preferiu manter sua identidade em segredo por medo de pegar pressão.

O desprezo do governador pela perda que afetou toda a classe política do estado pode ter apenas duas razões: o já conhecido menosprezo por prefeitos do interior pode ter pavimentado o desleixo, ou a falta de empatia pode ter sido motivada por questões políticas. Já que Osmar Filho é um dos generais do grupo do senador Weverton Rocha, que pretende disputar a sucessão de Flávio Dino à revelia do apoio do governador.

LEGADO COMUNISTA

Segurança Pública entra em colapso total em São Luís

Assassinatos de policiais, arrastões, tiroteios, assaltos e guerras de facções marcam 2º semestre de 2021. Após sete anos de governo comunista, segurança pública na capital maranhense colapsou.

O segundo semestre de 2021 deve entrar para a história como um dos períodos mais violentos e inseguros da história do Maranhão. Assassinatos em massa de policiais, arrastões em praias, assaltos, assassinatos, guerras de facções e mortes de inocentes. Poucas vezes na história da segurança pública da cidade se viu a criminalidade subjugando a sociedade de forma tão abrupta.

Na noite da quinta (21) foram registrados diversos tiroteios em bairros da capital. O pânico na cidade foi acirrado pela divulgação em massa de vídeos por aplicativos de troca de mensagens que mostravam a ação dos criminosos. Apenas na noite de ontem foram registradas cinco mortes e dezenas de feridos, marcando o ponto alto de uma onda de violência que implodiu o sistema de segurança pública na capital.

A onda de violência pode ser caracterizada pelo ajuntamento de uma série de situações que deixam evidente a crise de segurança. Uma semana antes dos tiroteios de quinta, dois policiais militares foram executados em bairros da Grande São Luís.

A onda de assaltos a estabelecimentos comerciais também voltou com força total. Na terça (19), um grupo de homens invadiu um estabelecimento na Lagoa da Jansen e assaltou todos que estavam no lugar.

Em agosto foi registrado o primeiro arrastão da história da orla de São Luís. Além disso, a guerra de facções na periferia continua sem que aja a preocupação da Secretaria de Segurança Pública.

Por ironia, enquanto a população de São Luís sofre com a insegurança, o governador Flávio Dino recebeu recentemente o título de governador que melhor cuida de presidiários.

Cinismo imortal

Após pedir ajuda de Sarney, Flávio Dino entra para a Academia Maranhense de Letras

Antes de ser eleito para AML, comunista foi a casa do ex-presidente pedir apoio na empreitada de herdar a cadeira que foi ocupada por seu pai. Primeiro romance do comunista deverá ser chamado de “Cinismo Imortal”.

Em um dos episódios mais irônicos da história recente do Maranhão, o comunista Flávio Dino foi eleito nesta quarta (21) membro da Academia Maranhense de Letras (AML). Tudo indica que não assumirá a cadeira de imortal por méritos no ramo, mas por usar a política para transforma em propriedade familiar um símbolo cultural.

Inexistente enquanto homem das letras, Dino ganhou notoriedade ao enfrentar e derrotar o que ele mesmo chama de “Oligarquia Sarney”. Ironia que o comunista tenha defendido de forma tão escancarada a hereditariedade da cadeira no 32 da AML, que teve Sálvio Dino, seu pai, como último ocupante.

Tanto foi assim que, na semana passada, Flávio Dino decidiu pedir o apoio do ex-presidente José Sarney apoio na eleição. A reunião entre os dois e o pedido é de conhecimento público.

O apoio do ex-presidente foi decisivo para que Flávio Dino pudesse transformar em propriedade familiar a cadeira 32 da AML.

A política de Flávio Dino derrotou outros quatro candidatos (Antônio Guimarães de Oliveira, José Rossini Corrêa, José Carlos Sanches e Azenate de Oliveira) que tinham apenas méritos literários (esses que Flávio Dino não possui) a apresentar.

Para justificar o abuso político da eleição de Flávio Dino para a Academia Maranhense de Letras (AML), bajuladores expõem a carreira jurídica e acadêmica do comunista como cortina de fumaça para o que ela realmente foi: uma intromissão da política no maior símbolo cultural do estado. É muito difícil acreditar que entre os outros quatro postulantes não exista alguém que tenha credenciais que superem passar em concurso público, escrever livros técnicos e uma carreira acadêmica de faz-de-conta.

A imortalidade de Flávio Dino é uma mentira contada pela política nos ouvidos da cultura.

Eleições 2022

Afinal de contas, o que pretende Felipe Camarão?

De desconhecido, passando por laranja e agora com pré-candidatura “independente e irreversível”, Felipe Camarão ajuda a tumultuar o já bagunçado ambiente político maranhense.

A negação de Felipe Camarão da tese de que sua pré-candidatura não passa de uma cortina de fumaça do governador Flávio Dino surpreendeu os mais atenciosos. Como assim ele está na eleição para valer? É claro que, mesmo sendo uma marionete, Camarão nunca iria assumir-se enquanto tal. Mas, o vigor com que defende a pré-candidatura e a alta intensidade do verniz de independência não deixam de chamar a atenção. Jogo de cena? Coragem? Flávio Dino programou ou também foi pego de surpresa?

Logo após assumir-se como postulante ao cargo de governador, dez entre dez observadores entenderam que o movimento de Camarão só foi possível após permissão do governador. Acontece que Felipe Camarão tem cultivado a impressão de que talvez a história não seja bem assim.

Até poucas semanas atrás, o secretário de Educação sequer era cogitado como possível nome. Nem as pesquisas o traziam como opção. O anúncio da pré-candidatura do secretário não foi levado à sério. “Manobra de Flávio Dino”, achava a maioria das pessoas.

Todavia, bastaram poucos momentos para que o secretário saísse da penumbra de uma fácil disputa por vaga na Câmara Federal para uma aguda e inusitada pré-campanha ao governo.

Bastaram horas para que o anúncio da ideia fosse transmutado em ação de verdade. Disparos de mensagens em massa, outdoors, campanhas em redes sociais, reuniões políticas, apoio. Felipe Camarão fez em um mês o que Carlos Brandão não conseguiu fazer em sete anos. Apenas coincidência? Claro que não. O petista já tinha a toda a estrutura para divulgar sua pré-candidatura pronta e montada. Poucos são competentes ao ponto de fazerem engrenar uma campanha em poucos dias. Imaginem um secretário de educação que tem como ponto alto do seu currículo ter deixado as escolas fechadas pela maioria do tempo. Só que o fracasso de Camarão como secretário, e minha retumbante antipatia por ele, não são o cerne desta análise, sigamos…

Os analistas e players da política maranhense fizeram, em sua maioria, a opção pela tese de que Camarão seria uma espécie de contrapeso criado por Flávio Dino para blindar o PT das investidas de Weverton Rocha. Ou seja: era apenas um laranja.

As últimas declarações dele, ratificando sua disposição a enfrentar as urnas para o cargo máximo da política local, dão a entender que, talvez, nem o próprio Flávio Dino tenha (se é que um dia teve) controle da candidatura do petista.

A ação de Felipe Camarão pode estar escancarando uma situação ou escondendo outra. Ou mostra o nascimento de um novo e independente futuro candidato (que seria danosa para os planos de controle dinista) ou esconde um plano ardiloso centrado na desinformação e bagunça do ambiente (que beneficiaria apenas o próprio Flávio Dino).

Justiça há de ser feita: poucos conseguiram chegar em posição tão boa, em tão pouco tempo e de forma tão repentina, no primeiro escalão. Isso é mérito do petista, não há debate porque é um fato indiscutível.

A entrada de Felipe Camarão na primeira divisão da política local está sendo precoce demais. Resta saber se a saída também será.

VIOLÊNCIA

Três policiais militares executados no Maranhão em uma semana

Assassinatos em situações suspeitas levantam tese de “programa de extermínio” contra policiais inédito na segurança pública do estado. Governador Flávio Dino não divulgou nota lamentado mortes e nem anunciou medidas.  

Poucos dias após dois policiais militares serem executados, o sargento da PM do Maranhão, Mozaniel Mendes Sousa, lotado no Batalhão de Polícia (BPA), foi morto a tiros no Jardim São Cristóvão 1, em São Luís. Como das vezes anteriores, as abordagens revelam que há um programa de extermínio de policiais no Maranhão.

Mosaniel foi abordado e executado na noite de terça. Os autores fugiram levando a pistola do sargento.

No sábado (16), o subtenente Israel Silva Nonato Filho foi assassinado em circunstâncias semelhantes em um lava-jato, no bairro do Coroado.

Antes dos dois, o sargento aposentado da Polícia Militar Raimundo Lima Silva Santos foi morto a tiros na quarta (13) em um posto de combustível no povoado Brejinho, na zona rural do município de Caxias. No caso de Raimundo, os indícios são de que ele tenha sido morto após tentar impedir um assalto. Mas, a situação não é conclusiva.

Apesar da brutalidade dos casos em um espaço de tempo tão curto, o governador Flávio Dino silenciou em relação às mortes e nenhuma medida para investigar e impedir as execuções foi divulgada publicamente.

DESMORALIZADA

Sindicato debocha de desembargadora e mantém greve em São Luís

DESMORALIZADA: Diretoria do Sindicato dos Rodoviários simplesmente jogou no lixo decisão da desembargadora Ilka Esdra Silva Araújo que ordenava a manutenção de 90% da frota em São Luís.

Nesta semana a desembargadora federal do Trabalho, Ilka Esdra Silva Araújo, havia determinado que ao menos 90% da frota do transporte público deveria circular em São Luís em caso de greve. O movimento, anunciado dias atrás, simplesmente não tomou conhecimento do que decidiu a Justiça e paralisou a cidade nesta quinta (21).

A paralização aconteceu após os rodoviários do transporte público afirmam que o movimento acontece por uma falta de acordo com o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros (SET). Segundo os líderes do movimento grevista, os empresários se negam a conceder um reajuste salarial de 13%.

Dias atrás o prefeito Eduardo Braide (Podemos) afirmou que as pesagens não iriam aumentar em São Luís. A concessão do reajuste salarial dos rodoviários é condicionada ao aumento da passagem pelos empresários.

Falhas

Dr Yglésio que anular edital de seletivo do Hospital da Ilha

Parlamentar encontrou desacordo entre edital e lei estadual que prevê 5% das vagas para pessoas com deficiência.

O deputado estadual Yglésio Moyses (PROS) informou, na sessão plenária desta terça-feira (19), que pedirá a impugnação do Edital 15/2021, referente ao processo seletivo para contratação temporária de profissionais para atuarem no, anunciado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES).

Segundo Yglésio, o edital não atende a critérios de inclusão previstos na Lei Estadual 5.484/1992, que assegura a pessoas com deficiência o direito ao trabalho. “A Lei Estadual 5.484 prevê 5% das vagas a pessoas com deficiência. O que, lamentavelmente, não foi respeitado no edital”, disse o parlamentar.

Atualmente, segundo o IBGE, 45 milhões de pessoas têm algum tipo de deficiência no Brasil. Entretanto, menos de 1% desse total ocupa algum posto de trabalho. Uma maneira de amenizar esse cenário, conforme o deputado, é por meio da administração pública.

Cotas raciais – Yglésio também chamou a atenção para a não aplicação das cotas raciais, tendo em vista a dificuldade que muitos encontram de buscar uma vaga no mercado de trabalho, cenário prejudicado pela pandemia da Covid-19.

O Hospital da Ilha deverá ser inaugurado no fim deste ano, em São Luís. Há vagas para as áreas de saúde, engenharia e atendimento ao público, entre outros. De acordo com a Secretaria, o prazo para as inscrições termina nesta quarta-feira (20).

TRABALHO

Hildo Rocha defende o Nordeste e enaltece potencial do MA

Deputado federal Hildo Rocha tem defendido mais recursos para o Maranhão na CMO

Em audiência pública da Comissão Mista de Orçamento, o deputado federal Hildo Rocha defendeu a região nordeste e enalteceu as potencialidades do Maranhão para o Brasil. O posicionamento do parlamentar maranhense foi apresentado durante a sessão que aprovou o projeto (PIN 2/2021), que prevê a divisão igualitária do valor destinado a emendas apresentadas por bancadas estaduais ao projeto de lei orçamentária para 2022.

O projeto de lei orçamentária para 2022 reserva R$ 5,7 bilhões para essas emendas, que têm execução obrigatória.  Diversos parlamentares discordam dos critérios que estão sendo propostos para a distribuição desses recursos.

Deputados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul defenderam que a distribuição dos recursos leve em conta o tamanho da população de cada estado. Já parlamentares do Tocantins e Piauí apoiam o critério atual que reparte as emendas de bancada de forma igualitária, chegando ao valor de R$ 212,8 milhões por estado para o ano que vem.

O coordenador da bancada de São Paulo, deputado Alexandre Leite (DEM-SP), defendeu uma compensação aos hospitais de São Paulo que apresentam déficit nas contas por receber pacientes de outros estados que buscam tratamento especializado em entidades filantrópicas. De acordo com o parlamentar, só o Hospital de Amor de Barretos, unidade especializada no tratamento de câncer, registrou um déficit financeiro de R$ 179 milhões e quinhentos mil, em 2019, em razão dos atendimentos de pacientes originários de outros Estados da Federação.

“Os recursos que o SUS repassa para São Paulo não cobrem nem as despesas do próprio Estado. São Paulo paga essa conta por todos os Estados”, argumentou.

A realidade vista por outro ângulo – Coube ao deputado Hildo Rocha defender o Maranhão e demais Estados nordestinos. O parlamentar ressaltou que a formação da Federação brasileira contém muitas incoerências e anormalidades que, geralmente, ocasionam algum tipo de prejuízo aos Estados. Entretanto, segundo o parlamentar, apesar das distorções, existem vantagens e desvantagens proporcionadas pela formatação da Federação brasileira.

“São Paulo trás essa questão da saúde. Realmente, os preços praticados pelo SUS estão defasados isso contribui para a geração desse grande déficit nos hospitais filantrópicos. Mas, hoje São Paulo ainda não está no apagão por causa do Nordeste brasileiro. Atualmente, São Paulo vive em função da energia que nós estamos gerando porque além de produzir energia eólica, o Maranhão possui duas grandes hidrelétricas que geram energia suficiente para suprir a demanda do Maranhão além de outros estados do nosso País, inclusive São Paulo. Os maranhenses estão pagando energia mais cara porque nós fornecemos energia para São Paulo. Se tivéssemos adotada outra forma, que não fosse essa adotada pela Federação brasileira, não estaríamos pagando energia com tarifa de bandeira vermelha”, explicou.

Ainda de acordo com Hildo Rocha, São Paulo reclama de perdas, mas o Estado também é beneficiado por pertencer à Federação brasileira. “No setor energético, por exemplo, se não fosse o Nordeste e boa parte do Norte, a escassez de chuvas, nas regiões Sul e Sudeste, provocada pelo fenômeno La Ninha, São Paulo estaria sem energia elétrica ou estaria comprando energia muito cara, de termoelétricas. Portanto, há vantagens e desvantagens”, finalizou.

CADÊ O DINHEIRO?

Lahesio Bonfim é reprovado em avaliação de transparência

Pré-candidato ao governo do estado recebeu nota 3.45 em levantamento feito no portal de transparência da cidade governada por ele

Levantamento do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão revela que o prefeito de São Pedro dos Crentes, Lahesio Bonfim, não segue as regras de transparência de recursos públicos como deveria. A gestão dele foi considerada uma das piores do Maranhão no quesito Portal da Transparência. Estes sites são considerados imprescindíveis para a fiscalização por autoridades e órgãos públicos.

Os portais da transparência são sites de acesso livre, no qual o cidadão pode encontrar informações sobre como o dinheiro público é utilizado, além de se informar sobre assuntos relacionados à gestão pública do Brasil. Gestores públicos envolvidos em desvio de recursos e corrupção costumam negligenciar os portais da transparência como forma de ocultar desvios e roubos.

A ferramenta disponibilizada pela gestão de Lahesio Bonfim, segundo o TCE, está entre as piores dos 217 municípios do Maranhão. Em uma visita rápida pelo endereço Transparência (saopedrodoscrentes.ma.gov.br) é fácil constatar que várias abas abrem informações diferentes e que nem todos os dados são disponibilizados com fácil acesso.

O TCE classificou o site como um dos piores do Maranhão. Ele recebeu a nota 3.45 e foi classificado com C- em nível de transparência.

ABSURDO

Dino comprou respiradores de empresa que vende maconha

HempCare recebeu R$ 4,9 milhões do governo maranhense por 30 aparelhos que nunca foram entregues. Site da empresa afirma que ela também comercializa produtos à base de Cannabis

O governador Flávio Dino gastou R$ 4,9 milhões por 30 aparelhos que nunca foram entregues parava a empresa HempCare Pharma Representações Ltda. A empresa comercializa produtos derivados da maconha. Em seu site está claro que o empreendimento comercializa produtos “à base de Cannabis spp na América Latina”. O próprio ome da empresa é uma alusão à maconha: Hemp significa maconha e Care significa cuidados.

A compra foi realizada em conjunto pelo Governo do Maranhão e outros estados do Consórcio Nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe). Ao todo foram gastos R$ 48,7 milhões pela compra de respiradores que nunca foram entregues.

A denúncia foi primeiramente pelo deputado federal Osmar Terra (MDB). “Quanto mais eu rezo, mais assombração…!! Até onde entendi o consórcio dos Governadores do Nordeste, comprou respiradores de empresas produtoras de maconha e derivados, Hempshare e Hempcare que pegaram o dinheiro adiantado e não entregaram …!  É isso?!”, disse em suas redes sociais.

Além da estranheza da compra de produtos hospitalares de uma empresa especializada em produtos derivados da maconha, a operação também chama a atenção. Auditoria do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba revelou detalhes que apontam possíveis irregularidades.

“A Auditoria observou que o documento fiscal emitido pela HEMPCARE possui numeração muito baixa (nº 000.000.02, série 01), levando a indícios de que a empresa, até o momento, não possui grande expertise no fornecimento de materiais médico-hospitalares. Tal fato é corroborado pela sua data de constituição: em 24 de junho de 2019, por Luiz Henrique Ramos Jovino e Cristiana Prestes Taddeo”, aponta a auditoria.

O TCE da Paraíba, inclusive, encaminhou informações à Polícia Federal, ao Ministério Público Federal, a Controladoria Geral da União e ao Tribunal de Contas da União, sobre Inspeção Especial de Acompanhamento de Gestão, que apurou a compra dos respiradores.

A empresa já foi alvo de operação policial deflagrada pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia, estado que lidera o Consórcio Nordeste.